Pacientes e familiares » O AVC » O que é o AVC?

AVC EM MULHERES

Saiba quais são os riscos e sintomas do AVC - Acidente Vascular Cerebral - feminino

29/04/2021


AVC EM MULHERES


As pesquisas apontam que  o AVC afeta mais mulheres do que homens, mas esta estatística só foi possível  em meados das décadas  80 a 90.

Um fato curioso, até a  década de 70, apenas 9% das mulheres faziam parte do grupo de pesquisa com hipertensivos (medicamento para pressão arterial), ou seja, as mulheres não estavam devidamente representadas nos grupos de pesquisa das doenças cardiovasculares.




 A partir dos anos  80 e 90  os estudos com mulheres foram aprofundados, e as pesquisas puderam tratar separadamente o grupo do sexo feminino e do masculino; salientando as diferenças hormonais que afetam mais as mulheres. Este fator, somado a características de raça, atribuem maior índice do AVC em mulheres. Segundo a pesquisa, mulheres negras e hispânicas possuem maior risco se comparada com outras raças. Mas este fator, não é evidenciado no Brasil, devido a miscigenação.

O estilo de vida é fundamental para a prevenção primária ( voltada para grupos que nunca tiveram AVC)  e a secundária (grupo de pacientes que  já tiveram AVC e que necessitam prevenir o  AVC recorrente)

Os fatores de riscos associados , tais como  hipertensão arterial, obesidade central ou abdominal, pacientes com perfil lipídico ( colesterol alto ) , uso de álcool ou tabagismo, elevam  o risco de um AVC. Considerando as diferenças hormonais nas mulheres, este risco dobra.

Perfil lipídico é um dos fatores de risco para AVC
Perfil lipídico é um dos fatores de risco para AVC


O acompanhamento médico periódico como prevenção do AVC é importante para todos, independente do gênero, porém para as mulheres, devido esses fatores hormonais já mencionados,  é fundamental incluir em sua rotina, consultas médicas  de  orientação e acompanhamento.

As mulheres estão sujeitas a  diversos picos hormonais ao longo da vida e o   uso de reposição hormonal (estrogênio) seja no anticoncepcional,   ou na terapia de reposição hormonal pós menopausa, aumentam a chance de acidente vascular cerebral – o AVC.

Os estudos indicam um aumento de três vezes a incidência de AVC nas mulheres que fazem o uso do referido  hormônio.

AVC e os anticoncepcionais
AVC e os anticoncepcionais


Nos casos de necessidade do uso do hormônio, o médico fará a avaliação da perspectiva geral do estado de saúde da mulher, a fim de diminuir  fatores de risco associados (sedentarismo, obesidade, colesterol alto, etc.)

O  tabagismo juntamente com a reposição hormonal aumentam o risco de acidente vascular cerebral em 4 ou 5 vezes, nesses casos, a orientação deve ser parar de fumar. 

Fatores de risco para o AVC
Fatores de risco para o AVC


Outro fator  importante quando se fala em AVC em mulheres é o período gestacional. Nessa fase da vida há um aumento do risco de AVC,  devido o  estado pró trombótico,  (hipercoagulabilidade vascular)  que a gestação impõe , ou seja há um aumento de sobrecarga vascular nessa fase.

risco de AVC na gravidez
risco de AVC na gravidez


Se focarmos em um subgrupo dentro das mulheres gestantes que tem diabetes gestacional ou risco elevado de pré-eclâmpsia, o risco aumenta  em cerca de 30 a 40 vezes.

 

AVC feminino - riscos
AVC feminino - riscos


Quando se fala em risco de Acidente Vascular Cerebral, além do AVC isquêmico, AVC hemorrágico e também de trombose venosa cerebral, que está relacionada ao uso de anticoncepcionais, relacionada à fase gestacional e ao puerpério (período após o parto, até que o organismo da mulher volte às condições normais, anteriores ao período gestacional).

 Essencial o acompanhamento médico, para avaliar os fatores de risco nas mulheres que fazem uso do anticoncepcional, ou seja, antes da prescrição deve-se avaliar se o seu perfil  está adequado para o uso. 

AVC e menopausa e gestação
AVC e menopausa e gestação

 Para as mulheres especialmente, mudanças de estilo de vida,  com foco em cuidar da sua  saúde, e um dos fatores de  prevenção do AVC . Controle do peso, controle da pressão arterial, monitoramento das taxas mediante exames periódicos,  check up regular e  acompanhamento regular com o ginecologista.

Para as mulheres que já tiveram um acidente vascular cerebral, que necessitam de prevenção secundária, recomenda-se a prescrição da medicação preventiva correta, conforme o tipo de AVC que a pessoa teve, como anticoagulantes por exemplo. Doenças que aumentam o risco de trombose também são avaliadas, levando em conta o histórico familiar, para delimitar o perfil individualizado da mulher e avaliar  o uso de anticoncepcionais.

AVC em mulheres
AVC em mulheres


A atenção nas avaliações dos fatores de risco  serão eficientes para evitar o AVC -  doença que causa incapacidade e mortalidade como rastro.


AVC em Mulheres

Este vídeo faz parte da palestra da SEMANA AÇÃO AVC (evento destinado a pacientes e familiares de AVC, promovido pela Associação AÇÃO AVC), proferida por Dra, Milena Libardi